fbpx

Como saber se um site ou serviço de viagem é seguro

Setembro de 2020

Quando planejamos uma viagem sempre surge a preocupação de saber se um site ou serviço de viagem é realmente seguro para que a nossa compra não nos traga problemas.

Por isso, comumente, muitos viajantes restringem sua pesquisa e a compra aos sites das companhias aéreas e às agências. Mas, não precisa ser assim.

É muito bom saber que de forma autônoma é possível realizar com segurança uma pesquisa mais abrangente, que oportuniza melhores preços e, assim, multiplica as viagens.

Nesse post eu vou mostrar alguns caminhos que podem ser muito úteis.

Eu vou te contar os 3 passos que você pode seguir para saber se um site é confiável e não depender mais da indicação dos amigos ou de ter que se arriscar seguindo recomendações pela internet.

Vou te contar qual é o “Reclame Aqui” estrangeiro e dar dicas que você sempre deve se lembrar para garantir sua segurança, tanto antes como durante a viagem.

3 passos para saber se um site ou serviço de viagem é seguro

Em primeiro lugar, você precisa se fazer a seguinte pergunta: Como eu encontrei esse site?

E, para isso, existem somente 3 respostas possíveis, isto é, que são mais prováveis.

1 – Indicação de um amigo

2 – Pesquisa pela internet (Indicação de algum blog, grupo temático nas redes sociais, canal do YouTube etc.)

3 – Pesquisa em site agregador/metabuscador, como o Skyscanner e o Google Flights.

No caso da 1ª e da 2ª resposta é muito provável que existam mais riscos envolvidos do que na 3ª.

Isso ocorre porque quando você recebe uma indicação de algum amigo ou faz uma pesquisa pela internet existe sempre aquela velha situação: o que foi bom pra alguém, pode não ser tão bom pra você.

Logo, o risco de você entrar em uma furada é bem grande…

No caso de a resposta ser a 3ª que eu citei acima, é mais provável que tudo dê certo porque antes de acrescentar nas suas bases, esses agregadores/metabuscadores checam a documentação pra fechar a parceria.

Por isso, ao se deparar com nomes como Edestinos, Travelgenio etc. que não são tão conhecidos da grande maioria dos viajantes e figuram nos metabuscadores, é possível sim adquirir o serviço com tranquilidade.

Note apenas que ao observar as avaliações com relação a sites estrangeiros em plataformas como o Reclame Aqui é bem possível que você se depare com problemas não respondidos e uma avaliação não tão positiva para a imagem dessas empresas. No entanto, isso não significa que elas não sejam sérias.

Então, como verificar por conta própria se um site como esse é realmente confiável a, dessa forma, não confiar apenas na dica de que um site agregador constitui um sinal de segurança?

Simples. Siga esses 3 passos.

3 passos para saber se um site é confiável

1º passo

Existe alguma menção sobre esse site no Google?

– Verifique se há sede no Brasil ou se é um perfil de empresa grande.

– Observe as avaliações e comentários sobre os serviços prestados.

– Note se existe um telefone ou meio de contato direto com a empresa.

– Existe algum site ou blog indicando e validando uma boa experiência com essa empresa?

viagem internacional pós pandemia
viagem internacional pós pandemia

2º passo

Consulte os seguintes sites:

Reclame aqui (preferencialmente para sites brasileiros)

TripAdvisor e Trustpilot.com (para sites estrangeiros)

No TripAdvisor leia os comentários postados nos fóruns procurando saber se o site é confiável. Da mesma forma, acesse o Trustpilot para analisar as reclamações, já que esse site funciona no exterior como o “Reclame Aqui” funciona no Brasil.

Além disso, aproveite esse site como um canal de comunicação com a empresa caso você já tenha algum motivo de contato com ela. Certamente, será mais produtivo do que postar no Reclame Aqui.

Vale uma dica aqui: lembre-se de filtrar o tipo de reclamação se perguntando se elas são realmente sérias.

Isso é importante porque você pode encontrar reclamações muito pessoais, superficiais e até sem sentido, não representando um verdadeiro sinal de perigo para o consumidor. Nesse caso, não vale a pena levar em consideração.

Observe também a regra do país, pois não adianta abrir uma reclamação sobre algo que não consta na lei da sede da empresa.

Eu vou dar um exemplo.

No Brasil você tem 24h para cancelar a compra de uma passagem aérea. Mas, no país de origem da empresa pode ser que esse prazo sequer exista. Assim, não importa se você comprou no Brasil, pois o que vale é a norma legal que a empresa está sujeita em seu país sede.

Procure também por elogios, pois eles são menos abundantes, já que exigem um certo esforço de quem os publica e, geralmente, não trazem nada em troca.

Desse modo, como são mais raros, se você encontrar alguém que se dispôs a genuinamente gastar o seu tempo elogiando alguma empresa sem qualquer interesse pessoal, vale a pena levar isso em consideração.

3º passo

O que observar logo antes da compra?

Resumindo, é:

– Note se a empresa está listada em um agregador.

– Se tem contato disponível no site.

– Se tem mais avaliações positivas do que negativas considerando a sede da empresa.

– Dê preferência para comprar com cartão de crédito porque se, eventualmente, for necessário cancelar a compra o processo é muito mais fácil do que à vista em dinheiro, no boleto etc.

E durante a viagem? Como manter a segurança?

– Pesquise sobre a segurança do destino. Um site que ajuda muito nessa busca é o site do Portal Consular.

– Sempre viaje com seguro viagem e chip para celular. Afinal, nunca se sabe, né?

– Nunca despache objetos de valor (computadores, joias, dinheiro…). Leve esses itens sempre na sua bagagem de mão.

– Lacre a sua bagagem para dificultar um pouco mais o acesso aos itens na mala despachada.

– Carregue sempre uma cópia física e digital (na nuvem e no e-mail) dos seus documentos.

– Não coloque todo o seu dinheiro num lugar só, como na bolsa, por exemplo. É bem melhor se você deixar na carteira somente o suficiente para utilizar naquele dia e o restante transportar em uma doleira, por baixo da roupa.

– Tenha cautela com desconhecidos e evite pedir informações a estranhos. Prefira: hotel, autoridades, centros de apoio ao turista.

– Mantenha sempre alguém informado da sua localização (endereço dos hotéis, previsão de roteiro, número dos voos…).

– Não compre objetos, passeios e ingressos pela rua, pois podem ser falsificados.

– Ao menor sinal de perigo, siga seus instintos. Não tem nada melhor.

Conclusão

Nesse post eu falei sobre algumas dicas de segurança que você pode adotar para saber se um site ou serviço de viagem é realmente seguro.

Compartilhe nos comentários a sua dica também.

Ah! Não deixe de conferir o último post com dicas atualizadas sobre planejamento de viagem internacional pós pandemia.

Gostou deste post? Compartilhe.

Facebook
Pinterest
WhatsApp
Imprimir
Telegram
E-mail

* Temos orgulho de só publicar artigos baseados em viagens que a autora realmente fez, então, se ler algo por aqui, pode confiar.

** Este artigo não recebeu nenhuma espécie de patrocínio e reflete as opiniões pessoais da autora.

Posts relacionados